Moulin D`Issan 2016

PRODUTOR: Château D'Issan REGIÃO: Bordeaux
R$ 295

Moulin d’Issan, espécie de terceiro vinho do renomado Cru Classé de Margaux, o Château d’Issan.

Sócio Ativo Clube Adega 
De: R$295,00 Por: R$236,00 
utilizando seu cupom.

Château d’Issan

 

O Château d’Issan passou pelas mãos de diversas famílias influentes como os Ségur, os Salignac e os La Vergne. Acredita-se que o nome Issan deve-se ao Chevalier d’Essenault, então conselheiro do parlamento de Bordeaux, que destruiu o antigo o castelo e ergueu o atual edifício no século XVII (Essenault foi encurtado para Issan). Em 1855, o Château foi classificado como um dos 15 Troisièmes Crus. Mas foi a partir de 1866, sob o comando de Gustave Roy que Issan prosperou. Roy construiu as primeiras caves por gravidade e replantou os vinhedos que haviam sido devastados pela filoxera. Em 1945, Emmanuel Cruse comprou a propriedade, que naquela época tinha apenas dois hectares de vinhas em produção. A família Cruse, de origem dinamarquesa, também administrava os Châteaux de Laujac, Pontet-Canet, Giscours, Rauzan Ségla e Taillan, e investiu uma fortuna para renovar a propriedade, que hoje conta com 120 hectares, sendo 53 de vinhedos. Em 2012, Françoise e Jacky Lorenzetti, que também possuem o Château Lilian Ladouys, em Saint-Estèphe e o Château Pedesclaux, em Pauillac, uniram-se aos Cruse no comando de Issan.

Um Bordeaux na família real

 

Casamento entre Henrique Plantageneta e Leonor da Aquitânia foi celebrado com vinho do Château d’Issan. Leonor, duquesa da Aquitânia, após a anulação de seu casamento com Luís VII, casou-se novamente, desta vez com Henrique Plantageneta, duque da Normandia, de quem era prima em terceiro grau. O evento ocorreu em 18 de maio de 1152. Diz-se que a festa teve muito menos pompa que em seu primeiro matrimônio. Segundo cronistas, o vinho servido, que selaria o destino da região da Aquitânia, e consequentemente de Bordeaux, foi o do Château d’Issan, de Margaux. Dois anos depois, em 1154, Henrique II foi coroado rei da Inglaterra e Leonor novamente se tornou rainha. Assim, toda a região de Bordeaux, sob domínio do ducado da Aquitânia, terras que pertenciam à Leonor por herança, ficaram sob controle inglês, o que gerou conflitos durante séculos.